quarta-feira, 24 de junho de 2009

Rocambole de massa de Pastel











O pastel é um snack tipicamente brasileiro, sendo derivado do tradicional "rolinho primavera", da culinária chinesa. Sua introdução se deu através daqueles imigrantes, que tiveram de adaptar-se às matérias-primas disponíveis no Brasil. Contudo, sua popularização na cultura do brasileiro, veio através das mãos dos imigrantes japoneses que, por ocasião da II Guerra Mundial, vieram a abrir diversas pastelarias no intuito de se passarem por imigrantes chineses, livrando-se dessa forma, da discriminação que havia na época, contra a aliança entre alemães/italianos/japoneses. Os princípios de manipulação e processamento de alimentos da culinária japonesa, foram introduzidos nas pastelarias que, ao final, tornou-se um grande negócio dentro da colônia, ao mesmo tempo em que os pastéis ganhavam o gosto popular, por serem produtos saborosos, de rápido consumo e principalmente baratos.
Sabe aquela massa de pastel de rolo que vende em qualquer supermercado?Aqui eu usei a da feira perto de casa: é deliciosa e coloquei como recheio - peito de peru defumado, cream cheese light (para "untar" a massa), minas padrão picadinho, salsinha e orégano frescos numa misturinha de cebola picadinha e tomate sem sementes em cubinhos temperados com sal e azeite.
Abra metade da massa de pastel, corte, pincele a superfície com o cream cheese (pode ser também maionese ou requeijão cremoso), cubra com o recheio que você escolheu e vá enrolando a massa e soltando o plástico. Faça isso com a outra metade da massa também (pode até mudar o recheio).
Terminando de enrolar, pincele com uma gema de ovo batida ou catchup mesmo, ou ainda molho shoyo com um pouquinho de óleo, polvilhe queijo ralado se quiser, unte uma assadeira com margarina, coloque o rocambole lá, cubra com papel aluminio e leve ao forno pré-aquecido por 15 minutos. Depois é só tirar o alumínio e deixar mais uns 15 minutinhos até a massa ficar dourada e crocante.

Imagine agora as muitas variações que você pode usar no recheio - espinafre com ricota, tomate seco com mussarela de búfala, cogumelos frescos, ricota com ervas, atum, frango desfiado, salsicha, legumes ralados, bacalhau desfiado com requeijão, carne seca... use a imaginação!
Eu adorei! peguei esta receita no orkut, na comunidade Culinária Receitas, do querido Mauro Rebelo.

Tem o blog dele ai embaixo.

ARRANJO DE ORQUÍDEAS



Fiz este arranjo para dar de presente a uma amiga na sua festa de bodas de prata. Além de flores coloquei muito carinho. Ficou lindo.
Pena que não tirei foto dele embrulhado, fez o maior sucesso quando cheguei lá!
Esta é minha terapia.

terça-feira, 16 de junho de 2009

BOLO DE IOGURTE - com morango, fiz no meu aniversário




ORIGEM DO IOGURTE
O iogurte (do turco yoğurt, pronúncia [jɔˈurt], do adjetivo yoğun, "denso" ou "tornar denso") é uma forma de leite em que o açúcar (a lactose) foi transformado em ácido láctico, por fermentação bacteriana. É um líquido espesso, branco e levemente ácido, muito nutritivo e, por essa razão, muitas vezes é servido e mesmo vendido misturado com frutas, chocolate ou outro tipo de adoçante.
Apareceu na Ásia Menor por volta de 4.000 a.c. Reza a lenda que um viajante nômade atravessava o deserto carregando um pouco de leite numa sacola de pele de cabra. Horas depois, ele constatou que o leite virou em creme grosso, com leve sabor ácido.
Atribuíam-se ao iogurte poderes excepcionais, mas, apesar desta auréola de alimento revitalizador, com virtudes quase semelhantes às dos elixires da juventude, o produto não era muito consumido devido a repulsa que o sabor provocava.
Na antiguidade o iogurte era considerado medicinal, pois é de fácil digestão e benéfico para a flora intestinal, as proteínas do leite, que têm um alto valor biológico, são parcialmente pré-digeridas por ação das bactérias lácticas, o que permite uma melhor digestão e também a acidez do iogurte confere uma proteção natural contra as infecções, manifestando-se a inibição de diferentes tipos de bactérias patogênicas no iogurte. Por outro lado, o acido láctico dissolve o cálcio presente no iogurte e favorece a sua assimilação.
Em 1542, chegou a Europa o 1º iogurte, como cura para infecção intestinal do imperador François da França.
No século XX foi registrado alto consumo de iogurte na Europa, mais especificamente, entre gregos e georgianos.
No Brasil o consumo só pode ser considerado significativo depois de 1970, não existem muitos relatos antes desta data.
Na atualidade o maior consumo de iogurte é na Ásia e Europa Central, sendo a Bulgária o país de maior consumo per capita.




BOLO DE IOGURTE


Este bolo é delicioso e pode ter muitas variações, é muito fácil também.
Pode usar qualquer pote de iogurte.
Eu gosto do natural ou do de mel com laranja

MODO DE FAZER I

Bater no liquidificador:

1 copo de iogurte natural
1 copo do iogurte (faltando 2 dedos) de óleo
3 ovos inteiros (ou 4 se forem pequenos)

Depois mistura numa outra vasilha (sem bater)

2 copos (o mesmo do iogurte) de farinha de trigo
2 copos (o mesmo do iogurte) de açúcar
1 colher de sopa de fermento em pó químico

30 minutos no forno médio (forno pré aquecido)

MODO DE FAZER II
Bata tudo na batedeira, leve para assar em forma untada com margarina , açúcar e canela em pó, ou com farinha de trigo, se preferir sem sabor de canela.
É maravilhoso.

Pode colocar raspas de limão (ou laranja), e açúcar com limão por cima depois de assado.
Ou lasquinhas de chocolate na massa e calda de chocolate por cima.
Canela em pó – 2 colheres de sopa - na massa
Pode-se rechear com chantily e morangos e cobrir com chantily, rechear com geléia de morangos ou goiabada e polvilhar açúcar.